Píndaro (c. 552-448 a.C),



A noite caiu e trouxe este poema de Píndaro (c. 552-448 a.C), via Péricles Eugênio da Silva Ramos. Não sei se foi o outono que o trouxe ou a lembrança da epígrafe de Píndaro em “O mito de Sísifo”, de Camus, “Ó minha alma, não aspires à vida imortal, mas esgota o campo do possível”, viva desde a adolescência.


A sorte dos mortais
cresce num só momento;
e um só momento basta
para a lançar por terra,
quando o cruel destino
a venha sacudir.

Efêmeros! Que somos?
que não somos? O homem
é o sonho de uma sombra.
Mas quando os deuses lançam
sobre ele a luz,
claro esplendor o envolve
e doce é então a vida.

Postagens mais visitadas